miércoles, 28 de noviembre de 2012

Porteadora






Sujétame a tu vientre de mariposa

vuelo incesante
que me transporte a libar los jugos secretos

cuantos sabores desconozco
              de ti

aquellas contemplaciones que aún no me son dadas

el color de las fantasías
              la frescura de la serenidad
                        la humedad de los sueños

esa intensidad
              que no nombras

lo que carece de tiempo
                         porque tú eres todo mi tiempo




(Foto. Mona Kuhn)



54 comentarios:

*L* dijo...

Entrega absoluta y mucho amor.

¡Qué bárbaro!

Besos, loba.

Darío dijo...

Y cuánto no conocerás. Y aún así, que no perdamos la sed...

enletrasarte (omar) dijo...

muy interesante,
saludos

magdalena dijo...

pufff
hermosa declaración de amor
brindo por eso!

loba dijo...

L, gracias por sensibilizarte.

loba dijo...

Que no la perdamos, Darío, sería mala señal.

loba dijo...

Enletras, afinidades electivas o algo así.

loba dijo...

Magdalena, siempre ese brindis en alza, que nos quede al menos siempre alguna gota en la copa.

genetticca dijo...

El tiempo pasa,irremediablemente y casi siempre,lamentablemente, las mariposas generan gusanos.
Por eso se debe vivir con toda intensidad el tiempo de las mariposas, sin eternidades fatuas.

un abrazo

loba dijo...

De las larvas de las mariposas salen nuevos seres también. Pero acaso nosotros no estemos ya para sentir que son nuestros.

Gracias, Genetticca.

mariola dijo...

Siempre se debe de guardar algún secreto para seguir manteniendo ese deseo.
Me gusta el primer verso.
un abrazo.

loba dijo...

Naturalmente, Mariola. Deshojar secretos es alimentar el deseo, a veces.

Abrazo.

Anónimo dijo...

El comentario es una observación para
"gennettica":
De las mariposas, nunca salen gusanos, salen orugas que dan lugar a nuevas mariposas.
Nustro fractal de dentro, tiene todos los mensajes que hacen falta para seguir haciendo mariposas de colores, ya es hora de que sepamos tocar las teclas de ese piano genético, genética.

Jorge Ampuero dijo...

Abrazo la intensidad y el deseo que cabalga entre tus versos.
Nos leemos.

Besos ;-)

loba dijo...

Jorge, me alegro que ello te signifique. Saludos.

genetticca dijo...

Felices fiestas amiga, que la paz el amor y la felicidad sean las constantes en toda tu vida.

besos

loba dijo...

Un año 2013 por delante: saludable y consciente. Lo demás ¿se nos dará por añadidura, Genetticca?

José Luis dijo...

Muy buen poema!!
Saludos!

loba dijo...

Gracias, José Luis. Un saludo cordial.

Elizabeth Pineda G dijo...

Ah carajo!... cuánta sensualidad, la intensidad ha sido nombrada... (Quiero que mi vientre sea de mariposa, eso dice la noche)
Un abrazo cálido,
Ely.

loba dijo...

Elizabeth. Puede serlo, solo basta con desearlo.

Cálidamente.

Oz dijo...

Excelente post loba, muchas gracias por compartirlo. Te quiero invitar a mi nuevo Blog de Cine de Terror que seguramente te gustará, espero tus comentarios en:
http://terror-en-el-cine.blogspot.com/

Un gran saludo, Oz.

loba dijo...

Muchas gracias, Oz. De acuerdo.

Carlos Augusto Pereyra Martínez dijo...

En tu cuerpo somos uno. Saludos. Carlos

loba dijo...

¿Unicidad por la Pluralidad? Los complementarios.

MAR dijo...

Lindo!!!
Besos.
mar

loba dijo...

Gracias, MAR, bien estar por aquí.

carlos dijo...

muy buen blog un gran beso

loba dijo...

Muy amable, Carlos, por pasar y leer.

M.A.O dijo...

Bello poema...

¿ya no escribís?

es una pena...

loba dijo...

Quién sabe, M.A.O., no se puede decir nunca jamás. Tal vez la loba duerme solamente. O cura sus heridas.

Se agradece tu aprecio.

yomismo jomateix dijo...

buff...será la imagen de la loba, el color rojo...tus palabras...me he sentido removido. Quiero pasr con mas calma, por cierto, hermosas palabras
un beso

Johnson Ulises dijo...

La fuerza del cosmos habita en las entrañas de la carne tibia, inalcanzable y atemporal.
Es el mana que todos buscan.
Que todo lo cura.
El caldero de la abundancia que colma corazones y cuerpos infinitos.

Precioso poema.
Un saludo.

loba dijo...

Gracis yomismo, por aquí merodea la loba.

loba dijo...

Hermosas tus palabras, Johnson, un maná que perseguimos insaciablemente.

Fernando Sancho dijo...

Como pueden ser de duras las heridas para dejar de merodear por tus territorios. Yo de vez en cuando vuelvo y bebo en el pozo de tus poemas y tus olores.
Un saludo

loba dijo...

Dudo que estos poemas alivien, pero las letras obran milagros (o sentencian) Gracias, un saludo.

MTeresa dijo...

Excelentes letras
que contienen pasión
e intensidad,
un saludo

loba dijo...

Gracias por entrar en este territorio, María Teresa.

Jacob K dijo...

¡Llamas a mi!, jaja
Ardiente, sensual... y todo lo demás para el final.
Bien.

Saludos
Jacob

loba dijo...

Todas las percepciones son posibles y respetables, Jacob. Bienvenido.

Ío dijo...


Aunque no lo haya dicho hace tiempo que echo de menos leerte.
Un beso, loba

Ío

mendiga dijo...

lindo blog, palabras intensas

loba dijo...

La intensidad de las palabras naen de las otras intensidades, Mendiga. Gracias por parar aquí.

loba dijo...

Ío, uno hiberna en su madriguera...UN beso.

Luz dijo...

Además de los versos en sí, me ha gustado mucho la manera en que utilizas el espacio en relación al contenido de los mismos. Parecen moverse, volar, les otorga la ligereza que transmiten palabras como "fantasías", "frescura"... Enhorabuena por el blog y muchas gracias por seguirme. Gracias.

loba dijo...

Soy receptivo a tus comentarios y reviso lo que hice, toda aportación sigue nutriéndome. Gracias a ti, Luz, por supuesto, y mucha.

rodrigo inostroza dijo...

Intensidad y lirismo. Bello poema. Ha sido un agrado recorrer estos trazos de fuego, tierra, agua y aire de tu blog.

loba dijo...

Los elementos nos construyen desde el origen. Reconocerlo es nuestro mejor agradecimiento, Rodrigo.

Iara dijo...

Sacia
a minha sede
inesgotável
incontrolável
de beber da tua intimidade
de desbravar cada recanto do teu corpo de serpente
de mergulhar no aroma que a tua pele exala
de ser substrato para a tua raiz
Sacia
este instinto
necessário
infinito
inquebrável
de me fundir contigo
Ser UM em dois corpos
Te absorver
e te tragar
metamorfoseando-nos juntos
Aí nesta dimensão
onde não há tempo nem espaço
onde só os amantes penetram
E levitam
e transcendem
entram em órbita
encharcados numa bola de fogo de Desejo


Es una pena que no escribas más, Loba.
Me encanta leerte.

Anónimo dijo...

Por que?
Por que eu quero saber de você se você não quer saber de mim?
Por que penso em você, sobre você, se sei que preciso esquecer, se sei que já passei para você há muito tempo, o que faz de mim um anacronismo: penso no que já não existe para mim, se mobiliza ou sensibiliza por mim ou sequer se lembra ou importa com a minha presença no mundo?
Por que eu penso em você se sei que irremediavelmente não nos cruzaremos mais, porque não pode ser, porque é impossível, por que eu penso então?
Por que este ser que eu incorporo se lembra de pensar na sua imagem, que você continua a estar no mundo, e pensa em como está e o que faz, mesmo sabendo que você me despreza, que me trata pior do que trataria o mais estranho desconhecido - porque você é uma pessoa boa, íntegra e generosa, mas para mim não pode dar nada de frutífero? Por que, então, ainda assim, eu penso em você, sabendo que a nossa convivência, de perto ou de longe, é inviável, sabendo que nunca poderia ser admitida como digna para entrar no seu meio social - o que é injusto - e muito menos no seu foro íntimo?
Por que sou tão absurda?
Por que penso no que não existe e nem pode existir?
Por que sou assim surreal?

Anónimo dijo...

Posso apenas expressar mais uma inofensiva reflexão indignada?
E o que será do autêntico? Daquela coisa indenominável e inexplicável? Não fui eu que te inventei, seja honesto e admita: eu aconteci para você e você aconteceu para mim. E o que será do que precisa cumprir-se? E o que será do nosso descendente que deveria vir? E o que será das suas filhas, com menos irmãos e esta aprendizagem de vida? Você quer carregar todo este peso do que não pôde existir porque não lhe foi permitido acontecer, para resguardar o que já aconteceu e foi bonito e teve o seu tempo, infelizmente curto para o que esperávamos? A escolha está nas suas mãos. Embora possa parecer que não, embora os outros possam dizer que não, é possível alcançar a aceitação, a compreensão, o perdão, o renascimento. Renascimento para todos. O renascimento não é uma imposição, o renascimento ocorre naturalmente porque a própria vida é renascer, sucessivamente, aprender a superar e crescer. A impossibilidade não pode ser uma imposição. Não é justo. Você sabe que não é justo porque sentiu a vibração, aquela sutilidade intensa, não fui eu que inventei, você sabe como é. Se a impossibilidade pudesse ser digerida, certamente eu não estaria escrevendo essas palavras agora e me submetendo a mais este esforço. Existem coisas que precisam ser. Eu sei muito bem como a mudança é difícil. Mas quando acontecem vendáveis nas nossas vidas todos devemos aprender a ter humildade para aceitá-los e incorporá-los da melhor maneira. A mudança de forma harmoniosa é possível, sim, e está ao nosso alcance. Não é uma heresia pedi-la.

Anónimo dijo...

Em todos esses anos de espera e ausência, você esteve comigo todos os dias; de forma mais sutil ou mais intensa, todos os dias você é evocado pelo meu ser. E não é porque eu quero, acredita. Muitas vezes te visualizo, às vezes você vem de corpo inteiro, e ultrapassa o limite da minha intimidade. Por que eu tenho o ímpeto de me ajoelhar diante de ti? Para te venerar como um deus-sol ou deus-guerreiro? E te adorar de baixo para cima. Quero alimentar-me de ti, e que você também se alimente de mim. A seiva. O leite. Com a boca e as mãos e os poros. Quero sentir o seu sabor de homem nos lábios e na pele. Preciso. Uma necessidade que eu nunca senti antes, em relação a ninguém. Quero sentir e apreciar você se nutrindo de mim. Mamando. Sorvendo. Tudo isso eu vejo, de olhos abertos ou fechados. E logo, buscando apreender o sentido da existência, experimentar a sensação de ser UM contigo, ultrapassando a dicotomia dos opostos e elevando-nos numa fusão de êxtase. Depois da fartura de saborear, lamber e chupar a sua carne, a consagração de ascender contigo. Por um instante que seja. Este sonho, miragem e delírio aguarda, ainda, a concretização efetiva. E não aceita ser ignorado, só porque veio à luz em um tempo difícil das nossas vidas. Nós merecemos; e todos os demais implicados, já existentes ou que existirão um dia, também.

Anónimo dijo...

E este desejo de abrigar no meu corpo os teus fluidos corporais? Esta ânsia - carnal, animal - que nunca senti com nenhum outro homem e que não sei explicar..(parecia que antes, até você surgir na minha vida, eu era uma donzela, e então você despertou em mim, sabe-se lá porquê, alguma sutilidade poderosa que você possui sobre mim, um instinto de mulher selvagem que eu preciso desvendar e desenvolver, na prática)..só sei que quero sentir na minha pele o teu sémen e o teu suor e a tua saliva, experimentando a prazerosa sensação de absorver você em mim. Quero que você me lambuze nas tuas águas, me encharque, me banhe, me marque com a tua essência.

(Ontem por acaso encontrei um caderninho de angústias que eu nem me lembrava que existia e onde, há cinco anos, eu escrevi que tinha sonhado com você e que gostaria de permanecer no sonho. Há cinco anos!! Desde então, nós amaduremos e aprendemos muito, todos nós. Já é hora de passarmos do sonho à realidade, não? A vida pulsa, e demanda.)